sábado, 6 de dezembro de 2014

Santuário da Beata Alexandrina de Balasar

 Quem vai a Portugal, principalmente com intuito de realizar também um turismo religioso, acaba sendo absorvido pela Peregrinação indispensável ao Santuário de Fátima, bem como aos pelos Santuários de Braga, pelos Mosteiros que são  Patrimônios da Humanidade pela UNESCO, que se distribuem por toda Portugal (como os de Batalha, Alcobaça, Lisboa, Tomar, para citar alguns), como não dar um pulo bem rápido em Santarém e contemplar o Milagre Eucarístico tão de pertinho?  
Porém...muitos passam bem longe, apesar de ser caminho de muitos locais de turismo, da vila pequenina e talvez escondida de Balasar, situada na região de Póvoa de Varzim (distando por alto 32km de Braga). Seja por desconhecimento da existência desse local (até mesmo os próprios portugueses nunca ouviram falar!!) e o que nele há, seja por difícil acesso (nada que um GPS não resolva),  e talvez o principal motivo a  falta de divulgação da vida e menssagem da Beata Alexandrina.
Balasar hoje conta com um Santuário erigido em honra a essa Beata, com um testemunho de vida cristã incrível. Não somos teólogos, mas falamos sem medo de errar que pode ser uma das grandes místicas de nossa Igreja. Compõe no Santuário uma Igreja com Adoração Eucarística perpétua, dispostos nas laterais da Igreja estão em exposição permanente os objetos usados durante a vida da Beata. Na lateral, ao lado do Altar encontramos o Túmulo de Alexandrina, local mais visitado e as Relíquias da própria e dos Beatos Jacinta e Francisco Marto, a quem tinha uma grande devoção.
Logo à frente da Igreja, a uns 50 metros temos uma minúscula Capela que protege a Cruz de Terra que apareceu naquele solo milagrosamente alguns anos antes do nascimento de Alexandrina (vide a história abaixo). Onde se reza e contempla a Via Sacra constantemente em grupos que se revezam em horários específicos.
Saíndo do Santuário, bem próximo, em uma região chamada de Calvário, subindo uma pequena colina, nos deparamos com a casa de Alexandrina, aberta a visitação do público. Onde a mesma viveu por anos acamada. Em frente a sua casa uma Construção que abriga uma Fundação que leva seu nome.
Segue algumas fotos desse lindo e singelo Santuário, que sem dúvida nenhuma ao visitá-lo, você sairá com uma bela reflexão sobre o amor de Deus.                                         

                                                          Interior da Igreja - Altar Principal








                     Túmulo da Beata Alexandrina, localizado na lateral do Altar Principal da Igreja


                      Túmulo da Beata Alexandrina, localizado na lateral do Altar Principal da Igreja






                                      Área externa do Santuário em honra a Beata Alexandrina

 Quarto da Beata Alexandrina onde ela passou longos anos de sua vida acamada e onde teve experiências místicas. O quarto apresenta-se com a mesma decoração e objetos da Beata Alexandrina tal qual eram na época de sua vida.

           Pequeno altar no interior do quarto da Beata, onde se celebra ocasionalmente a Santa Missa.

 Janela da casa de Alexandrina que ela pulou para proteger sua pureza e que a deixou paraplégica para o resto da vida.

 Familiares da Beata na escadaria que dá acesso a sua casa. Que se conserva até hoje, bem como todo o interior de sua casa, mantêm-se conservados tal qual  como eram.

             Criado mudo da sua cama, com a caneca que Alexandrina usava nos seus acessos de tosse.

Como chegar:
VIAS RODOVIÁRIAS
Auto-estrada LN A28: Porto-Viana do Castelo
• Saída 15 (Vila do Conde/Guimarães/Famalicão)
• Ligação à EN 206 (Beiriz/Touguinha) (Balasar a 12km da saída)

Auto-estrada A7: Vila do Conde-Vila Pouca de Aguiar
• Saída 3 (Rio Mau)
• Ligação à EN 206 (Balasar a 8km da saída)

Auto-estrada A3: Porto-Valença
• Saída 7 (Cruz)
• Ligação à EN 206 (Balasar a 19km da saída)

Estrada Nacional 13: Maia – Valença
• Ligação com EN 206 em Vila do Conde (Balasar a 14km da saída)

Estrada Nacional 104: Vila do Conde – Santo Tirso


CONTACTOS
AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO (Porto)
www.ana.pt
Tel.: (00 351) 229 432 400
E-mail: flyopo@ana.pt
(Dista 32 km de Balasar.)

RODOVIÁRIA D`ENTRE DOURO E MINHO SA (Vila Nova de Famalicão)
Tel: (00 351) 252 322 820
(Dista 15km de Balasar.)

RODOVIÁRIA D`ENTRE DOURO E MINHO SA (Póvoa de Varzim)
Tel: (00 351) 252 618 400
(Dista 19km de Balasar.)

METRO DO PORTO (Póvoa de Varzim)
www.metrodoporto.pt
Tel.: 225 081 000 / 808 20 50 60
E-mail: metro@metro-porto.pt
(Dista 19km de Balasar.)

COMBOIOS DE PORTUGAL (Trofa/V.N.Famalicão)
www.cp.pt
Tel.: 808 208 208 / 00 351 707 201 280
(Dista 12km de Balasar.)

CENTRAL TAXIS (Praça do Almada, Póvoa de Varzim)
Tel.: 252 622 364
Tel.: 252 621 066
(Dista 19km de Balasar.)

TAXIS (Balasar)
Tel.: 91 754 07 45
Tel.: 91 970 59 80

Acesse o site do Santuário e saiba mais sobre a vida dessa Beata:  http://www.alexandrinadebalasar.com

Um resumo de sua vida (retirado do site do Vaticano - http://www.vatican.va):

ALEXANDRINA MARIA DA COSTA nasceu em Balasar, Póvoa de Varzim, Arquidiocese de Braga, no dia 30 de Março de 1904, e foi baptizada no dia 2 de Abril, Sábado Santo. Foi educada cristãmente pela mãe, junto com a irmã Deolinda. Alexandrina viveu em casa até aos 7 anos. Depois foi para uma pensão dum marceneiro na Póvoa de Varzim a fim de frequentar a escola primária que não existia em Balasar. Fez a primeira comunhão na sua terra natal em 1911 e no ano seguinte recebeu o sacramento da Crisma pelo Bispo do Porto.
Passados 18 meses, voltou a Balasar e foi morar com a mãe e a irmã na localidade do “Calvário”, onde irá permanecer até à morte.
Robusta de constituição física, começou a trabalhar nos campos, equiparando-se aos homens e a ganhar o mesmo que eles. A sua infância foi muito viva: dotada de temperamento feliz e comunicativo, era muito querida pelas colegas. Aos 12 anos, porém, adoeceu: uma grave infecção (uma febre tifóide, talvez) colocou-a quase à morte. Superou a doença, mas a sua saúde ficou abalada para sempre.
Aos 14 anos aconteceu um facto que seria decisivo para a sua vida.
Era Sábado Santo de 1918. Nesse dia, ela, a irmã Deolinda e mais uma mocinha aprendiz, estavam a trabalhar de costura, quando perceberam que três homens tentavam a entrar na sala onde se encontravam. Embora estivessem fechadas, os três homens forçaram as portas e conseguiram entrar. Alexandrina, para salvar a sua pureza ameaçada, não hesitou em atirar-se pela janela, de uma altura de quatro metros. As consequências foram terríveis, embora não imediatas. De facto, as várias visitas médicas a que foi sucessivamente submetida diagnosticaram, cada vez com maior clareza, um facto irreversível.
Até aos 19 anos pôde ainda arrastar-se até a igreja, onde gostava de ficar recolhida, com grande admiração das pessoas. A paralisia foi avançando cada vez mais, até que as dores se tornaram insuportáveis; as articulações perderam qualquer movimento; e ela ficou completamente paralisada. Era o dia 14 de abril de 1925 quando Alexandrina ficou definitivamente de cama. Ali haveria de passar os restantes 30 anos de sua vida.
Até 1928 não deixou de pedir a Deus, por intercessão de Nossa Senhora, a graça da cura, prometendo que se sarasse partiria para as missões. Depois compreendeu que a sua vocação era o sofrimento. Abraçou-a prontamente. Dizia: “Nossa Senhora concedeu-me uma graça ainda maior. Depois da resignação deu-me a conformidade completa à vontade de Deus e, por fim, o desejo de sofrer”.
São desse período os primeiros fenómenos místicos: Alexandrina iniciou uma vida de grande união com Cristo nos Tabernáculos, por meio de Nossa Senhora. 
Um dia em que estava só, veio-lhe improvisamente este pensamento: “Jesus, tu és prisioneiro no Tabernáculo. E eu por tua vontade prisioneira na minha cama. Far-nos-emos companhia”. Desde então começou a primeira missão: ser como a lâmpada do Tabernáculo. Passava as noites como em peregrinação de Tabernáculo em Tabernáculo. Em cada Missa oferecia-se ao Eterno Pai como vítima pelos pecadores, junto com Jesus e segundo as suas intenções.
Quanto mais clara se tornava a sua vocação de vítima tanto mais crescia nela o amor ao sofrimento. Comprometeu-se com voto a fazer sempre o que fosse mais perfeito.
De sexta-feira, 3 de Outubro de 1938 a 24 de Março de 1942, ou seja por 182 vezes, viveu, em todas as sextas-feiras, os sofrimentos da Paixão: Alexandrina, superando o estado habitual de paralisia, descia da cama e com movimentos e gestos, acompanhados de angustiantes dores, repetia, por três horas e meia, os diversos momentos da Via Crucis.
“Amar, sofrer, reparar” foi o programa que o Senhor lhe indicou. Desde 1934, a convite do padre jesuíta Mariano Pinho, que a dirigiu espiritualmente até 1941, Alexandrina punha por escrito tudo quanto, vez por vez, lhe dizia Jesus.
Em 1936, por ordem de Jesus, pediu ao Santo Padre, através do P. Pinho, a consagração do mundo ao Coração Imaculado de Maria. Este pedido foi renovado várias vezes até 1941, pelo que a Santa Sé interrogou três vezes o Arcebispo de Braga a respeito de Alexandrina. No dia 31 de Outubro de 1942, Pio XII consagrou o mundo ao Coração Imaculado de Maria com uma mensagem transmitida de Fátima em língua portuguesa. Este acto foi repetido em Roma na Basílica de São Pedro no dia 8 de Dezembro do mesmo ano de 1942.
Depois de 27 de Março de 1942, Alexandrina deixou de se alimentar, vivendo exclusivamente da Eucaristia. Em 1943, por quarenta dias e quarenta noites, foram rigorosamente controlados por médicos o jejum absoluto e a anúria, no hospital da Foz do Douro, no Porto.
Em 1944, o novo director espiritual, P. Umberto Pasquale, salesiano, após constatar a profundidade espiritual a que tinha chegado, animou Alexandrina a continuar a ditar o seu diário; fê-lo com espírito de obediência até à morte. No mesmo ano de 1944 Alexandrina inscreveu-se na União dos Cooperadores Salesianos. E quis pôr o seu diploma de Cooperadora «em lugar bem visível a fim de o ter sempre debaixo dos olhos» e colaborar com o seu sofrimento e as suas orações para a salvação das almas, sobretudo juvenis. Rezou e sofreu pela santificação dos Cooperadores Salesianos de todo o mundo.
Apesar dos sofrimentos, continuava a dedicar-se aos problemas dos pobres, do bem espiritual dos paroquianos e de muitas outras pessoas que a ela recorriam. Promoveu em sua paróquia tríduos e horas de adoração.
Especialmente nos últimos anos de vida, muitas pessoas, vindas de longe, atraídas pela fama de santidade, visitavam-na; muitas atribuíam a própria conversão aos seus conselhos.
Em 1950, Alexandrina festejou o 25º ano de sua imobilidade. E em 7 de Janeiro de 1955 foi-lhe preanunciado que aquele seria o ano da sua morte. De facto, dia 12 de Outubro quis receber a unção dos enfermos. E dia 13, aniversário da última aparição de N. Sra. de Fátima, ouviram-na exclamar: “Sou feliz porque vou para o céu”. Às 19h30 expirou.
Sobre a sua campa podem ler-se estas palavras por ela tão desejadas:
“Pecadores, se as cinzas do meu corpo puderem ser úteis para a vossa salvação, aproximai-vos: passai todos por cima delas, pisai-as até desaparecerem, mas não pequeis mais! Não ofendais mais o nosso Jesus! Pecadores, queria dizer-vos tantas coisas. Não bastaria este grande cemitério para escrevê-las todas! Convertei-vos! Não queirais perder a Jesus por toda a eternidade! Ele é tão bom!... Amai-O! Amai-O! Basta de pecar!”.
É a síntese da sua vida gasta exclusivamente para salvar as almas.
No Porto, na tarde do dia 15 de Outubro, os vendedores de flores viram-se sem nenhuma flor branca: todas tinham sido vendidas para a homenagem floral a Alexandrina, que tinha sido a rosa branca de Jesus.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

O que é o ano da Vida Consagrada?



O Papa Francisco quis destacar novamente a relevância do Ano da Vida Consagrada que começou no dia 30 de novembro, primeiro domingo do Advento e terminará no dia 2 fevereiro de 2016, enviando uma carta a todos os consagrados.
Na carta, o Santo Padre deseja que os consagrados “despertem o mundo”, pois a principal característica da vida consagrada é a profecia. A carta enumera os objetivos da celebração e se inspira na Exortação “Vida Consagrada” que São João Paulo II publicou em 1996.
Para o Santo Padre existem, sobretudo, três objetivos na realização da própria vocação. Entre eles, “olhar o passado com gratidão” para “manter viva a própria identidade, sem fechar os olhos para as incoerências, fruto das fraquezas humanas, e inclusive de qualquer esquecimento de alguns aspectos essenciais do carisma”.
O segundo objetivo é “viver o presente com paixão”, assim como “o Evangelho em plenitude e com Espírito de comunhão” e por último, como o terceiro objetivo está “abraçar o futuro com esperança, sem desanimar–se por tantas dificuldades que se encontram na vida consagrada a partir da crise vocacional”.
Por outro lado, o Papa adverte que não se deve “ceder à tentação dois números e da eficiência, e menos ainda à tentação de confiar nas vossas próprias forças”.
“A inventiva da caridade não conheceu limites e soube abrir inúmeras estradas para levar o sopro do Evangelho às culturas e aos setores sociais mais diversos”. Por isso, “saber transmitir a alegria e a felicidade da fé vivida na comunidade faz a Igreja crescer por capacidade de atração”.
O Santo Padre reconheceu que “é o testemunho do amor fraterno, da solidariedade, da partilha, o que dá valor à Igreja. Uma Igreja deve ser forjada por profetas, e como tal, capaz de perscrutar a história em que vive e interpretar os acontecimentos, denunciando o mal do pecado e das injustiças”.
Na carta, o Papa espera que os consagrados não vivam das “utopias”, mas saibam criar “outros lugares” onde se viva a “lógica evangélica do dom, da fraternidade, da diversidade, do amor recíproco”.
Para o Papa, o Ano da Vida Consagrada é uma ocasião propícia para que haja uma “colaboração estrita entre as diferentes comunidades” na “acolhida dos refugiados, na proximidade aos pobres, no anúncio do Evangelho, e na iniciação à vida de oração”.
Na carta, o Papa também dirige umas palavras aos leigos que, junto aos consagrados “compartilham ideais, Espírito e missão”.
Por outro lado, o Pontífice pede aos bispos que estejam dispostos a “promover nas respectivas comunidades” os “diferentes carismas, apoiando, animando e ajudando no discernimento para assim fazer resplandecer a sua beleza e santidade na Igreja”.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Um olhar para os refugiados


ISTAMBUL, 01 Dez. 14 / 10:17 am (ACI/EWTN Noticias).- A visita do Papa Francisco à Turquia também vai dirigir o olhar do mundo para a situação dramática dos refugiados que fugiram a este país como resultado da guerra civil na Síria e outros conflitos na região, afirmou ao Grupo ACI, Rinaldo Marmara, presidente da Cáritas Turquia.

“Há um milhão e setecentos mil refugiados sírios na Turquia, só em Istambul há 700 mil. Caminhando pelos arredores de Istambul, se vê muitas crianças pobres pedindo esmola”, assinalou na sexta-feira passada, 28 de novembro.
Marmara espera que a visita do Papa, que terminou neste domingo, “traga o olhar do mundo para a situação que está sendo vivida. Esperamos que o mundo nos dê uma mão para ajudar estes refugiados”.

“Nosso sonho é tornar possível que os refugiados vivam aqui e ao mesmo tempo trabalhem para que possam retornar logo para os seus países de origem”, acrescentou Marmara.
Explicou que Cáritas Turquia tem vários campos de refugiados, mas “os refugiados querem ir-se às grandes cidades, como Istambul, onde eles acham que há mais oportunidades”.
Marmara se reuniu com o Papa Francisco por ocasião da Missa na Catedral do Santo Espírito e lhe deu de presente um livro que escreveu sobre os primeiros jesuítas que foram evangelizar a Turquia.

“A história dos jesuítas está intimamente unida à história da Igreja na Turquia. Os jesuítas foram os primeiros a chegar a esta terra do Oriente. Esta é uma longa história, uma belíssima história que tentei mostrar”, assinalou Marmara.
 

domingo, 30 de novembro de 2014

Dica de Livro: Um Caminho sob o olhar de Maria

Escrito pelo Carmelo de Santa Teresa em Coimbra (onde viveu desde 1948), uma leitura da biografia da Irmã Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado, fornece-nos uma perspectiva mais abrangente da personalidade da Irmã Lúcia, fruto de um conhecimento relacional, de um convívio quotidiano e de escritos e testemunhos que espelham a profundidade de uma alma.
Que esse livro ajude todos os seus leitores a colher os distintivos essenciais da vida da Irmã Lúcia: o amor a Deus, a devoção filial a Nossa Senhora, a fidelidade incondicional à Igreja e o empenho pela salvação da humanidade perdida.

 - Aqui estou pela sétima vez. Vai, segue o caminho por onde o Senhor Bispo te quiser levar. Essa é a vontade de Deus.
                                                                                    - Sim, farei o que me ordenais.
                                                                              ( Sétima aparição de Nossa Senhora na Cova da Iria)

Este livro está sendo editado atualmente pela Edições Carmelo:
editorial@carmelo.pt
www.carmelo.pt
Tel: 255 531 354 Fax: 255 531 359

Fotografias: Arquivo do Carmelo de Coimbra e do Santuário de Fátima
Com prefácio do Bispo de Coimbra Vírgilio do Nascimento Antunes

sábado, 29 de novembro de 2014

Dica de Livro: Sacrário

Mais um livro de Maria Stella Salvador: Sacrário, Encontro com Jesus.
Falar de Sacrário é, para muitos, falar de um ornamento numa igreja ou numa capela. Para os Cristãos, o Sacrário representa Jesus nas Suas múltiplas formas: como refúgio, silêncio, luz, doçura. 
Nos trinta e um capítulos que compõem este livro, a autora apresenta-nos trinta e uma formas de contemplar Jesus presente no Sacrário e de orar com Ele. 
Um livro actual que nos ajuda a dialogar com Jesus Eucaristia.
Pela Editora Paulus.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Visita da Maria Rosa Mística

E o apostolado das visitas nas casas das famílias da Imagem de Maria Rosa Mística continuam em Bom Jesus do Itabapoana - RJ, principalmente dos enfermos. Segue mais algumas fotos:




sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Santo Anjo da Guarda


Os anjos da guarda existem, não são uma doutrina fantasiosa, mas companheiros que Deus colocou ao nosso lado, no caminho de nossa vida: foi o que disse o Papa Francisco na homilia celebrada na manhã desta quinta-feira, 02, na Casa Santa Marta, no dia em que a Igreja celebra a memória dos Santos Anjos da Guarda.
“As leituras do dia – afirmou o Papa Francisco – apresentam duas imagens: o anjo e o menino. Deus colocou um anjo ao nosso lado para nos proteger: “Se alguém aqui acredita que pode caminhar sozinho, se engana muito”, cai “no erro da soberbia, acredita ser grande e auto-suficiente”.
“Todos nós, segundo a tradição da Igreja, temos um anjo conosco, que nos guarda, nos faz ouvir as coisas. Quantas vezes ouvimos ‘Deveria fazer isso, assim não, tenho que ficar atento…’ Muitas vezes! É a voz do nosso companheiro de viagem. Temos que nos assegurar que ele nos levará até o fim de nossa vida com seus conselhos, temos que dar ouvidos à sua voz, não nos rebelar, pois a rebelião, o desejo de ser independente, todos nós temos isso: é a soberba”.
“Ninguém caminha sozinho e nenhum de nós pode pensar que está só” – prosseguiu o Papa – porque temos sempre “este companheiro”:
“E quando nós não queremos ouvir seus conselhos, dizemos ‘vai embora’! Expulsar o companheiro de caminho é perigoso, porque nenhum homem ou mulher pode aconselhar a si mesmo. O Espírito Santo me aconselha, o anjo me aconselha. O Pai disse “Eu mando um anjo diante de ti para guardar-te, para te acompanhar no caminho, para que não erres”.
Papa Francisco concluiu assim a homilia:
“Hoje eu pergunto: como está minha relação com o meu anjo da guarda? Eu o escuto? Digo-lhe ‘bom dia’, lhe peço para velar meu sono, falo com ele? Peço conselhos? O anjo está ao meu lado!”.

Fonte: Rádio Vaticano - (02/10/14)

Fotos: Comunidade Mariana Aliança Eterna

Santo Anjo da Guarda


Os anjos da guarda existem, não são uma doutrina fantasiosa, mas companheiros que Deus colocou ao nosso lado, no caminho de nossa vida: foi o que disse o Papa Francisco na homilia celebrada na manhã desta quinta-feira, 02, na Casa Santa Marta, no dia em que a Igreja celebra a memória dos Santos Anjos da Guarda.
“As leituras do dia – afirmou o Papa Francisco – apresentam duas imagens: o anjo e o menino. Deus colocou um anjo ao nosso lado para nos proteger: “Se alguém aqui acredita que pode caminhar sozinho, se engana muito”, cai “no erro da soberbia, acredita ser grande e auto-suficiente”.
“Todos nós, segundo a tradição da Igreja, temos um anjo conosco, que nos guarda, nos faz ouvir as coisas. Quantas vezes ouvimos ‘Deveria fazer isso, assim não, tenho que ficar atento…’ Muitas vezes! É a voz do nosso companheiro de viagem. Temos que nos assegurar que ele nos levará até o fim de nossa vida com seus conselhos, temos que dar ouvidos à sua voz, não nos rebelar, pois a rebelião, o desejo de ser independente, todos nós temos isso: é a soberba”.
“Ninguém caminha sozinho e nenhum de nós pode pensar que está só” – prosseguiu o Papa – porque temos sempre “este companheiro”:
“E quando nós não queremos ouvir seus conselhos, dizemos ‘vai embora’! Expulsar o companheiro de caminho é perigoso, porque nenhum homem ou mulher pode aconselhar a si mesmo. O Espírito Santo me aconselha, o anjo me aconselha. O Pai disse “Eu mando um anjo diante de ti para guardar-te, para te acompanhar no caminho, para que não erres”.
Papa Francisco concluiu assim a homilia:
“Hoje eu pergunto: como está minha relação com o meu anjo da guarda? Eu o escuto? Digo-lhe ‘bom dia’, lhe peço para velar meu sono, falo com ele? Peço conselhos? O anjo está ao meu lado!”.

Fonte: Rádio Vaticano - (02/10/14)

Fotos: Comunidade Mariana Aliança Eterna

As febres extraordinárias de São Pio de Pietrelcina

Das muitas histórias contadas em torno da figura do Padre Pio de Pietrelcina, aquelas relacionadas às suas febres ocupam páginas particularmente impressionantes. No período em que era forçado a abandonar o convento para cuidar de sua saúde em casa, o frade italiano experimentava febres altíssimas, sem registros em toda a história médica, de modo que, não fossem os relatos e as observações de profissionais, se pensaria que os testemunhos a este respeito tinham sido inventados.
O corpo de Pio chegava a temperaturas tão elevadas que os termômetros normais chegavam a arrebentar. Em carta enviada a uma de suas filhas espirituais, a 9 de Fevereiro de 1917, ele contava: “Sinto que melhorei. A febre tão alta, que não havia termômetro capaz de medi-la, deixou-me há já alguns dias”. Em outra de suas cartas, ele acrescentava: “O calor da febre era tão excessivo, que fazia rebentar o termômetro”.
O Padre Paolino de Casacalenda, guardião do convento de San Giovanni Rotondo, conta que, na primeira vez em que se encontrou com o Padre Pio, este estava de cama. Vendo-o “com o rosto afogueado e a respiração um pouco difícil”, decidiu tirar-lhe a febre: “Qual não foi o meu espanto quando, ao retirar o termômetro, me apercebi que o mercúrio, chegado aos 42 graus e meio, ou seja, ao ponto extremo dos termômetros vulgares, tinha feito pressão e, não podendo sair, tinha quebrado o reservatório onde estava encerrado”. Curioso para saber até onde ia a febre de Pio, Paolino pegou um termômetro de banho e ficou ainda mais assombrado quando viu “na coluna que o mercúrio tinha atingido os 52 graus”. Naquele momento, o frade ficou convencido de que se encontrava “frente a um indivíduo fora do vulgar”.
O Padre Raffaele de Sant’Elia de Pianisi, que viveu muitos anos com o Padre Pio, conta que, em 1934, quando Dom Bosco foi canonizado, o seu termômetro subiu a 53 graus de febre. “Vi-o com os meus próprios olhos. O Padre, na sua cama, parecia autêntico fogo, devido ao calor. Para lhe tirar a febre, tínhamos utilizado um termômetro de banho”. Algumas pessoas que assistiram à canonização de São João Bosco contam ter visto o Padre Pio em Roma, durante a cerimônia. “Eu sei muito bem que naquele dia o Padre Pio estava de cama, e não posso dizer até que ponto tais afirmações eram verdadeiras”, diz o Padre Raffaele. “De resto, tudo era possível ao Padre Pio, de quem se contavam tantos casos de bilocação”.
O doutor Giorgio Festa, que cuidou por muito tempo da saúde do frade de Pietrelcina, examinou regularmente a sua temperatura, duas vezes por dia, no decorrer de várias semanas. Para tanto, levou consigo “um termômetro especial, que serve para as experiências científicas e que é de uma precisão absoluta”. Os registros variavam de 36,2 graus a impressionantes 48,5 graus. “Quando era atingido por temperaturas tão elevadas,” escreveu o médico, “o Padre Pio parecia sofrer muito, sendo tomado por grande agitação na cama, mas sem delirar e sem as perturbações comuns que habitualmente acompanham alterações febris significativas. Ao fim de um ou dois dias, tudo regressava ao seu estado normal.”
Interessado pelo caso do Padre Pio, o doutor Festa correu atrás de investigações específicas e descobriu que, das temperaturas mais altas até então registradas pelos médicos, nenhuma passava dos 44 graus, tendo tais ocorrências recebido o nome de “agônicas” ou “pré-agônicas”, pois eram fatalmente seguidas de morte.
Tantos episódios, respaldados não só pelos relatos de quem convivia com São Pio de Pietrelcina, como pela própria ciência médica, são verdadeiramente milagres. Aliás, é impossível compreender a vida deste santo sacerdote sem recorrer ao auxílio sobrenatural. Toda a sua existência nesta terra foi inteiramente devotada a uma contínua e cada vez mais profunda manifestação de Deus, pela qual o santo assumiu para si as palavras do Apóstolo: “Eu vivo, mas não eu: é Cristo que vive em mim” (Gl 2, 20).
De fato, a vida dos santos está repleta de histórias como essas, cheias de fatos extraordinários e comoventes, capazes de mexer com o coração até do cético mais obstinado. A caridade cristã realmente supera todas as medidas humanas e, à semelhança de Cristo, que declarou ter vindo lançar fogo sobre a terra (cf. Lc 12, 49), também os santos vieram incendiar a humanidade com a chama do divino amor. 

Fonte:  Por Equipe Christo Nihil Praeponere

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Festa de São Padre Pio


Dia 24 de Setembro: Santa Missa em seguida Procissão - Pe.Murialdo
Dia 25: Santa Missa com benção dos doentes - Pe. Gilberto

Todas as Celebrações iniciarão 19:30h
Local: Casa de Missão da Comunidade Mariana Aliança Eterna, Rua Riachuelo, 161, Turf Club. Telefone: (22) 27243100

Venham viver conosco esse momento de fé e espiritualidade junto do nosso amigo Pe. Pio!!!

Como já sabem, mesmo sem sair do seu convento, Pe Pio atraía multidões de fiéis de toda a parte do mundo. Logo, o grande problema da distância parecia se impor sobre aqueles que estavam sob a direção do santo de Pietrelcina. Pe Alessio, confrade de Pe Pio, conta que muitas vezes por entre a multidão ele ouvia:

“Padre, como eu não poderei vê-lo novamente, o que devo fazer para obter suas orações?”

E o Padre respondia:

“Se você não pode vir até mim, mande-me o seu Anjo da Guarda. Ele pode trazer a sua mensagem e eu vou ajudá-lo o mais que puder”.

E assim começou o famoso intercambio entre Anjos e homens, um dos mais peculiares na história da Igreja. “Envie-me o seu Anjo da Guarda”, era para Pe Pio o meio mais seguro, eficaz e até mesmo “natural”, de apostolado entre os fiéis.

E de fato, os filhos de Pe. Pio não se esquivaram de usar este meio, pelo contrário, sempre que o podiam e precisavam, logo lhe enviavam os seus Anjos com pedidos de diversos tipos, segundo suas necessidades. E não somente os filhos espirituais de Pe. Pio souberam fazer bom uso desse meio privilegiado, muitos que ouviam falar de sua santidade e sabiam de sua intimidade com os Anjos, não se acanharam em também enviar-lhe o seu Santo Anjo nas dificuldades em que se encontravam.