sábado, 28 de agosto de 2010

Para as mães: Santa Mônica

Bom dia povo de Deus! Ontem (dia 27 de agosto) foi comemorado dia de Santa Mônica, mãe de Santo Agostinho (e hoje é dia do próprio). É a ela que mães aflitas do mundo inteiro recorrem pelos seu filhos que estão em caminhos distantes de Cristo.

Não podia existir um biógrafo mais atencioso e devoto que Agostinho, que ela gerou 2 vezes, na carne e no espírito. São palavras que se lêem nas Confissões de Santo Agostinho: "Ela me gerou seja na sua carne para que eu viesse à luz do tempo, seja com o seu coração para que eu nascesse à luz da eternidade". Mônica nasceu em Tagaste, na África, de família cristã. Ainda muito jovem casou-se com Patrício, não ainda batizado, do qual teve 2 filhos, Agostinho e Navígio, e uma filha, cujo nome ignoramos. Sua vida não foi muito tranquila: teve muitas aflições pelo comportamento do marido, de caráter difícil propenso á ira; mas teve a consolação de levá-lo á fote batismal, um ano antes da morte.

Quando ficou viúva, todos os seus cuidados dirigiram-se ao filho mais rebelde á graça, inteligente, mas abúlico. Por ele rezou e chorou. Esteve sempre ao seu lado, doce e discreta, e para não o perder de vista seguiu-o nas várias peregrinações que fez na Itália. "Não acontecerá que o filho destas lágrimas se perca", disse-lhe em sonho uma voz misteriosa. Agostinho recebeu o batismo em 387. Passaram juntos o período de verão, aguardando a partida de Mônica para a África, do porto de Óstia. É aqui que Agostinho registra os últimos colóquios com a mãe, dos quais podemos deduzir a grande nobreza de espírito desta incomparável mulher, de inteligência incomum, já que podia trocar pensamentos tão elevados com Agostinho: " Aconteceu - escreve Agostinho - que eu e ela encontramo-nos sozinhos apoiados no peitoril da janela, que dava para o jardim interno da casa onde nos hospedávamos, em Óstia, Nós falávamos de coisas de infinita doçura, esquecendo as coisas passadas e projetando-nos para as futuras, e procurávamos juntos, na presença da verdade, como seria a vida dos santos, vida que nem olhos viram, nem ouvidos ouviram e que nunca no coração do homem penetrou".

As últimas palavras de Mônica neste colóquio nos dão a imagem da sua alma: " Meu filho, quanto a mim não existe nada que me atraia, nesta vida. Nem sei mesmo o que estou fazendo aqui, e porque ainda existo. Uma única coisa me fazia desejar viver ainda um pouco: ver-te cristão antes de morrer. Deus me concedeu algo mais e melhor: ver-te desprezar as alegrias terrenas e só a ele servir. O que faço ainda aqui?" Dentro de pouco tempo ela morreu em Óstia, antes de embarcar de volta à pátria. Era ano de 387 e tinha 55 anos.

Fonte: Livro Um Santo para cada dia. Ed.Paulus.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

7 Semanas em Adoração





A Campanha das 7 Semanas de Oração foi finalizada com chave de ouro pela linda adoração Eucarística ao final do Grupo de Oração Aliança Eterna. Quem esteve lá pode testemunhar.
Parabéns a você que perseverou até o fim da campanha, mesmo nas lutas, nos sofrimentos, pelas dificuldades que você passou para chegar ao grupo toda terça-feira!! Mas, o mais importante é continuar orando e pedindo as graças de Deus, porque o grupo de oração continua, a nossa luta também continua e é necessário continuarmos sempre perseverantes e não desanimar.
Se você possui um testemunho, uma graça alcançada envie para nós aqui pelo blog ou entre em contato com a nossa Comunidade, pois os testemunhos edificam a Igreja.
"Tudo posso naquele que me fortalece."
Deus é bom!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Uma História de Amor

No artigo “Let the Sun Shine” (Deixe o Sol brilhar) do reverendo Martin Lucia, ele conta uma história verídica sobre o valor e o zelo que devemos ter pela sagrada Eucaristia.

Alguns meses antes de sua morte, o grande Bispo americano, Fulton J. Sheen, foi entrevistado pela rede nacional de televisão: “Bispo Sheen, milhares de pessoas em todo o mundo inspiram-se em você. Em quem você se inspirou? Foi por acaso em algum Papa?”.

O Bispo Sheen respondeu que sua maior inspiração não foi um Papa, um Cardeal, ou outro Bispo, sequer um sacerdote ou freira. Foi uma menina chinesa de onze anos de idade. Explicou que quando os comunistas apoderaram-se da China, prenderam um sacerdote em sua própria reitoria, próximo à Igreja. O sacerdote observou assustado, de sua janela, como os comunistas invadiram o templo e dirigiram-se ao santuário. Cheios de ódio profanaram o tabernáculo, pegaram o cálice e, atirando-o ao chão, espalharam-se as hóstias consagradas.

Eram tempos de perseguição e o sacerdote sabia exatamente quantas hóstias havia no cálice: trinta e duas. Quando os comunistas retiraram-se, talvez não tivessem percebido, ou não prestaram atenção, a uma menininha, que rezando na parte detrás da igreja, viu tudo o que ocorreu. À noite, a pequena regressou e, escapando da guarda posta na reitoria, entrou no templo. Ali, fez uma hora santa de oração, um ato de amor para reparar o ato de ódio. Depois de sua hora santa, entrou no santuário, ajoelhou-se, e inclinando-se para frente, com sua língua recebeu Jesus na Sagrada Comunhão. (Naquele tempo não era permitido aos leigos tocar a Eucaristia com suas mãos).

A pequena continuou regressando a cada noite, fazendo sua hora santa e recebendo Jesus Eucarístico na língua. Na trigésima noite, depois de haver consumido a última hóstia, acidentalmente fez um barulho que despertou o guarda. Este correu atrás dela, agarrou-a, e golpeou-a até matá-la com a parte posterior de sua arma. Este ato de martírio heróico foi presenciado pelo sacerdote enquanto, profundamente abatido, olhava da janela de seu quarto convertido em cela.

Quando o Bispo Sheen escutou o relato, inspirou-se de tal maneira que prometeu a Deus que faria uma hora santa de oração diante de Jesus Sacramentado todos os dias, pelo resto de sua vida. Se aquela pequena pôde dar testemunho com sua vida da real e bela Presença do seu Salvador no Santíssimo Sacramento então, o bispo via-se obrigado ao mesmo. Seu único desejo desde então seria atrair o mundo ao Coração ardente de Jesus no Santíssimo Sacramento.

A pequena ensinou ao Bispo o verdadeiro valor e zelo que se deve ter pela Eucaristia; como a fé pode sobrepor-se a todo medo e como o verdadeiro amor a Jesus na Eucaristia deve transcender a própria vida. Uma das nossas maiores ingratidões para com Jesus é o abandono em que o deixamos em muitos dos nossos Sacrários. A Igreja o chama de “prisioneiro dos Sacrários”. Há dois mil anos Ele está ali.

Jesus eucarístico é o “amor dos amores”. Ele faz continuamente este milagre para poder cumprir a sua promessa: “Eis que estarei convosco todos os dias até o fim do mundo” (Mt 20,20). Do sacrário Ele nos chama continuamente: “Vinde a mim vós todos que estais cansados e Eu vos aliviarei” (Mt 11,28). Ali Ele está, como no Céu, com os braços abertos e as mãos repletas de graças para aqueles que forem buscá-las com o coração aberto. São João Bosco dizia:

“Quereis que o Senhor vos dê muitas graças? Visitai-o muitas vezes. Quereis que Ele vos dê poucas graças? Visitai-o raramente. Quereis que o demônio vos assalte? Visitai raramente a Jesus Sacramentado. Quereis que o demônio fuja de vós ? Visitai a Jesus muitas vezes. Não omitais nunca a visita ao Santíssimo Sacramento, ainda que seja muito breve, mas contanto que seja constante”.

Fonte: Blog Prof. Felipe Aquino

domingo, 22 de agosto de 2010

O Céu na Terra

De todas as coisas católicas, não há nada tão familiar quanto a missa. Com suas orações, seus hinos e seus gestos sempiternos, a missa é como um lar para nós. Contudo os católicos passam a vida sem ver além da superfície de preces memorizadas. O Papa João Paulo II chamou a missa de "céu na terra" e explicou que "a liturgia que celebramos na terra é misteriosa participação na liturgia celeste".

Não é questão de aprender a "ver o lado brilhante" de liturgias desleixadas. Não se trata de adotar uma atitude mais caridosa para com vocalistas desafinados. Trata-se de algo que é objetivamente verdade, algo tão real quanto o coração que bate dentro de você. A Missa, toda a missa - é o céu na terra.

Muitos de nós admitimos querer "obter mais" da missa. Bem, não podemos obter mais que o próprio céu.

Fonte: Livro O Banquete do Cordeiro - a missa segundo um convertido. Scott Hahn. Ed.Loyola

sábado, 21 de agosto de 2010

Tua Paz

“Aprendi a buscar a PAZ que vêm de Ti. Que hoje eu só preciso olhar nos Teus olhos, segurar na Tua mão e junto Contigo tudo será bem melhor.”

Anjos de Resgate
Fonte: Blog Fotos que Falam

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Modéstia no vestir

Garotas, da próxima vez que forem dar aquela última olhada no espelho... lembrem-se... Vestir modestamente já é meio caminho andado para a castidade! É um elemento crucial quando se trata de vivê-la! Suas roupas dizem muito sobre você. De fato, muitas vezes você é julgada pela maneira com que se veste, antes mesmo que qualquer palavra saia da sua boca. É por isso que é tão importante pensar sobre a mensagem que você quer transmitir para as pessoas na hora que for escolher seu guarda-roupa.

Vestir de forma provocativa talvez dê aos rapazes a impressão que você acha que seu corpo é a sua única parte importante. Isso também vai levar os garotos a pensar que você está disponível no aspecto sexual. Pense sobre isso! Como você já sabe, homens e mulheres são diferentes. O que talvez você não saiba é que os homens são visualmente estimulados, enquanto as mulheres são emocionalmente estimuladas. Se um rapaz vê uma garota mostrando partes do corpo, isso pode despertar nele apenas desejos sexuais.

As mulheres querem que os homens sejam cavalheiros, que as respeitem, mas as mulheres também precisam respeitar os homens. Não é justo dizer uma coisa para um rapaz com a linguagem verbal, e então dizer outra coisa com a linguagem do corpo ou das roupas. Se você fez um compromisso de viver a castidade, vestir roupas curtas, provocantes ou transparentes vai fazer com que fique mais difícil atrair o tipo certo de rapazes.

Quando as pessoas escutam a palavra “modéstia” ou “recato”, normalmente pensam logo em roupas grandes que não são bonitas nem atraentes. Não é nada disso! Roupas modestas podem, na verdade, ser bem bonitas! Quando estiver pensando no que vestir, lembre-se de cobrir de forma adequada seu corpo, que é templo do Espírito Santo, e quando for comprar roupas, peça ajuda na hora de escolher. Por mais difícil que seja encontrar a peça certa, busque o que é melhor para você.
Que tal algumas inspirações:


Talvez olhando esse link pode ajudar: http://www.purefashion.com/

Fonte: Blog Vida e Castidade

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Deus é Maior

Quantos testemunhos estamos vendo com a Campanha de 7 Semanas de Oração, quanta benção, realmente este é o tempo das grandes graças, não vamos deixar passar, vamos orar!! Deus é maior do que tudo que me acontece, Ele é Grande, Supremo Rei!!!!! Pois lembre-se: tudo posso naquele que me fortalece!!

video

domingo, 15 de agosto de 2010

Onde se encontra a canonização dos Santos na Bíblia?

A canonização dos santos é tão somente o reconhecimento por parte da Igreja de que uma pessoa está no céu.

Ora, será que os apóstolos não criam que depois da morte e ressurreição de Cristo, os patriarcas e profetas estavam no céu, na presença de Deus?
A própria Escritura dá testemunho de que Abraão foi considerado justo pelos apóstolos (cf. Rm 4,3-9; Gl 3,9; Hb 6,15; Tg 2,23). Este reconhecimento de que Abraão estava no céu com Deus é um exemplo de canonização na própria Escritura e já na era apostólica.

Outro exemplo que podemos citar na própria Escritura é a canonização de Estevão. Diz a Escritura que era homem cheio do Espírito Santo (cf. At 6,8). Quando foi martirizado em nome da Fé em Cristo, viu a Glória do Cristo e pediu ao Senhor que recebesse o seu espírito (cf. At 7,55-59). Será que Estevão não foi para o céu? Claro que sim! E foi considerado santo pelo próprio apóstolo Paulo (cf. At 22,20), que assistiu a pregação de Estevão e corroborou com a sua morte. E o bom ladrão que reconheceu Cristo como seu Salvador e que o próprio Senhor lprometeu levá-lo ao paraíso (Lc 23,43), por acaso não é outro exemplo de canonização feita pela própria Escritura?

A canonização não faz parte da doutrina católica, mas da práxis católica. O que faz parte da doutrina católica é a Comunhão dos Santos, não confundir.
Como se vê, a canonização dos santos, isto é, o reconhecimento de que uma pessoa venceu a corrida (cf. Cl 2,8) e que está com Deus, é uma prática que consta na Bíblia e que sempre foi observada pelos primeiros cristãos.

sábado, 14 de agosto de 2010

Como lutar contra os pecados?

É preciso ter paciência consigo, especialmente nas quedas e nos pecados. Calma e paciência e nada de ficar pisoteando a própria alma, demonstrando um orgulho escondido e refinado de quem não aceita a própria fraqueza. Somos fracos mesmo. Por isso Jesus nos deixou o maravilhoso sacramento da confissão.
É grande orgulho não aceitar a própria miséria. Deus é paciente conosco, como, então, não teríamos paciência com nós mesmos? Até quando, meu Deus, aguentarei os meus pecados?

São Francisco de Sales ensinava: “Considerai os vossos defeitos com mais dó do que indignação, com mais humildade do que severidade, e conservai o coração cheio de um amor brando, sossegado e terno”.
Depois do pecado, o demônio do desespero corre para nos dizer: “Tua alma está morta, está perdida, não incomodes mais o Mestre…” (Mc 5, 35-43).
Nesta hora temos de dizer como Jó: “Ainda que o Senhor me tirasse a vida, ainda assim esperaria n’Ele”.
Apesar dos nossos pecados, Jesus nos ama com um amor infinito. Santa Terezinha garante que “quanto mais pobre e miserável é nossa alma, tanto mais apta está para as operações do Amor que consome e transforma”.

Talvez você seja uma mãe que chore por seu filho estar na perdição deste mundo; não se desespere, confie e espere no Senhor. A viúva de Naim não podia imaginar que Jesus fosse aparecer quando o seu filho já estava morto e o devolvesse vivo…
Dizia São Martinho de Tours que “a intervenção da Providência Divina é tanto mais certa quanto menos prováveis os recursos humanos”. Quando tudo falha… Deus age.
Santa Mônica rezou longos 20 anos pela conversão do seu querido Agostinho, mas teve a alegria de vê-lo um dia convertido, e muito mais: sacerdote, bispo, santo, doutor da Igreja, um dos homens mais importantes que o mundo já viu. Tudo porque ela não desanimou de rezar.
São Francisco de Sales dizia que “a Providência Divina demora o seu socorro para provocar nossa confiança”. Deus firma a nossa confiança provando-a. Não tem outro jeito. Portanto, não se aflija durante a boa prova da confiança. Seja corajoso. Os méritos serão muito maiores.

Santa Terezinha gostava de lembrar que “a nossa desconfiança é o que mais fere o Coração de Jesus”. Na mesma linha de pensamento, São Bernardo, o grande santo doutor, afirmava: “Possuireis todas as coisas sobre as quais se estender a vossa confiança. Se esperais muito de Deus, Ele fará muito por vós. Se esperais pouco, Ele fará pouco”.
Portanto, alma querida, confia muito, espera bastante, e não tenha receio de pedir muito; isso não é falsa humildade.
O autor da obra “A Imitação de Cristo” ensina que o “que o homem não pode emendar em si ou nos outros, deve sofrê-lo com paciência, até que Deus disponha de outro modo.”
Caiu? Levante-se! Peça a Deus o perdão. Perdoe a si mesmo e continue a caminhada. Não é porque perdemos uma batalha que vamos perder a guerra contra o pecado.

As tentações não nos afastam de Deus quando não cedemos a elas, mas nos aproximam ainda mais do Senhor. Muitos santos foram tentados horrivelmente. Sentir não é pecado, pecado é consentir. Enquanto você não for conivente com o erro, não pecou, mesmo que tenha de conviver com ele.
As tentações contra a pureza nos tornam mais castos quando as superamos; as tentações contra a ira nos tornam mais mansos; as tentações da gula nos tornam mais fortes na temperança. O combate contra a tentações nos fazem mais fortes e mais vigilantes.
Em meio à tentação parece que o inferno está contra nós; muitas vezes, vem o desânimo, o desejo de blasfemar, de desesperar, de se revoltar contra Deus… Calma, paciência, fé e abandono em Deus são necessários.

Santa Catarina de Sena, uma das três doutoras da Igreja, depois de uma fortíssima tentação, perguntou a Jesus: “Onde estavas, meu Jesus, durante esta tempestade?” E Jesus lhe respondeu: “No meio do teu coração.”
Muitos santos sofreram tentações de fé terríveis: Santa Terezinha, São Vicente, Santa Margarida. A esta última Jesus disse: “Serás perseguida pelo demônio, pelo mundo, e por ti mesma; as tuas três cruzes.”

Santa Terezinha, na luta contra as tentações da fé, dizia: “Pronunciei mais atos de fé no espaço de um ano do que em toda a minha vida passada.”
“A cada nova ocasião de combater quando o inimigo me quer provocar, procedo com valor. Como sei que o duelo é covardia, não enfrento o adversário, dou-lhe sempre as costas e corro, pressurosa para Jesus… É tão doce servir o bom Deus na noite na prova! Só temos esta vida para viver de fé” (idem).

Talvez nem Santo Agostinho, nem Santa Maria Madalena, nem muitos outros santos se tivessem santificado se não tivessem caído. Foram grandes no pecado e grandes na santidade. Tiveram de tocar o chão duro para experimentar a misericórdia de Deus.
O grande santo também afirmava que “entre a Misericórdia e a miséria há uma ligação grande que uma não pode se exercer sem a outra.”
A nossa miséria nos confere um direito sagrado de confiar na Misericórdia. Ou me salvo, confiando na Misericórdia, ou me condeno desesperado, sem ela.
Não é à toa que Jesus mandou Santa Faustina escrever no quadro da Misericórdia: “Jesus, eu confio em Vós!”

Diante de Deus tem mais direito quem mais necessita. Entre muitos doentes, qual deles é atendido primeiro? É o mais enfermo. Foi para socorrer a nossa miséria que a Misericórdia baixou à terra.
Santo Agostinho dizia que até os nossos pecados contribuem para a nossa santificação quando os aproveitamos bem. Portanto, coragem e confiança, alma humana, que vive a cair!

Fonte: Blog Prof. Felipe Aquino

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Agende Conosco!

Salve Maria!
Devido à alguns problemas técnicos com email de agendamento das visitas da Imagem Peregrina de Nossa Senhor de Fátima, trocamos o email que agora é apostoladomf@yahoo.com.br. Então não perca essa oportunidade de ter em seu lar, na sua paróquia, residencial, a visita da Imagem Peregrina do Santuário de Fátima!!
Para saber mais: http://www.apostoladomudialdefatima.blogspot.com/

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Eu sou um escolhido

Segue um pedacinho da pregação do último encontro do Grupo de Oração Aliança Eterna, na Campanha de 7 Semanas de Oração,na última terça dia 10. Pena que é só um pedacinho....Pra você que faltou ou para relembrar o que Deus está sempre falando conosco!

video

"Nós somos escolhidos, nós somos um milagre de Deus, ao qual Ele depositará vitórias." Alex Caetano

Ops!, desculpem a diagramação, o vídeo ficou invertido, tentaremos melhorar. Fiquem com Deus!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Coração de Jesus

Jesus nos conheceu e nos amou com um coração humano. O seu Coração transpassado para a nossa salvação é o símbolo daquele infinito amor com o qual ele ama o Pai e cada um dos homens.
Um coração para amar....ao me criar Tu me destes...

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Blog Apostolado Mundial de Fátima

Salve Maria!!
Novidade para os leitores, principalmente para os apaixonados por Maria. Já está em vigor o Blog do Apostolado Mundial de Fátima. Como já mencionado aqui, a Comunidade Mariana Aliança Eterna também faz parte deste movimento aqui no Brasil!!! Entre lá e confira!! Você saberá tudo sobre este movimento, sobre as peregrinações da Imagem da Virgem de Fátima no mundo e aqui no Brasil! Como todos já sabem, a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima está aqui na diocese de Campos, saiba passo a passo da Peregrinação, local, data, hora, e fique por dentro da Agenda da Imagem Peregrina.

Entre lá e dê o seu testemunho com Maria!!
A PAZ!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Busque o Alto

“Buscar as coisas do Alto. Não podemos ter medo de sonhar com grandes ideais. Triste de quem se acomoda e se apequena com reduzidos propósitos. A vida é feita de grandes projetos. O ser humano é chamado para grandes ideais. Os grandes sonhos nos dão força para superarmos os pequenos e grandes obstáculos”
Padre Léo

Fonte: Blog Fotos que falam

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Nossa Comunidade

Para aqueles que não conhecem a sede de nossa Comunidade aqui vai algumas fotos e o convite para conhecê-la. Sejam todos bem-vindos!!!

video

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Hoje:São João Maria Vianney


Conhecido e amado como o cura D`Ars, um povoado francês, ao norte de Lião onde exerceu o seu ministério sacerdotal, João Maria Vianey (1786-1859) é um daqueles homens aos quais se aplicam as palavras de São Paulo: " Deus escolheu os mais insignificantes para confundir os grandes". Este camponês de mente rude, nascido em Dardilly, tinha passado pela tempestade revolucionária e pela exaltada epopéia napoleônica sem sequer perceber. Ou melhor, teve de se esconder por um certo período, por haver desertado do exército napoleônico em marcha para a Espanha sem entender a gravidade de seu comportamento, somente porque não conseguia acertar o passo com o seu batalhão.

No seminário ainda lhe foi mais difícil acompanhar os seu colegas de estudo pela confusão mental que fazia diante de uma simples página de filosofia ou de teologia, pelo que os seus mestres, desanimados, deixaram até de interrogá-lo. É uma lástima, disse um deles ao Vigário geral, porque é um modelo de piedade. " Um modelo de piedade? - exclamou este. - Então eu o promovo e a graça de Deus fará o resto." Em 1815 deram-lhe as ordens sagradas, mas sem a autorização para confessar, pois julgavam-no incapaz de guiar as consciências. Quem poderia imaginar que João Vianney se tornaria um dos mais famosos confessores que a história da Igreja conhece?

Após um ano de aprendizado em Ecully, sob direção do abade Balley, a quem atribui-se o mérito de haver percebido naquele bobo "iluminado" os ocultos carismas da santidade, João Maria Vianney foi para Ars como vigário capelão, e depois a ser vigário ou cura. Ars, sobre o planalto de Dombes, tinha apenas 230 habitantes, que viviam em casas com tetos de palha. Os únicos centros de divertimentos eram quatro hospedarias com bastante movimentação, contra as quais o jovem cura começou a trovejar do seu púlpito. Tanta severidade poderia afastar aquela gente. Ao contrário, dez anos depois, Ars estava completamente transformada. Tavernas desertas e a igreja povoada. Pois a severidade do vigário jamais estava separada de uma incomensurável bondade e generosidade. Possuía somente a desbotada batina que tinha no corpo. Mas era capaz de privar-se de sapatos e meias na estrada se encontrasse um pobre infeliz, ocm quem trocava até as calças se as do mendigo estivessem piores que as suas. Morreu aos 73 anos, a 4 de agosto de 1859. Antes mesmo que Pio XI o inscrevesse no álbum dos santos em 1925, Ars, já havia se transformada em meta de peregrinações.
Seu corpo permanece incorrupto como na foto!!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Week-end

"Week-end" é a expressão inglesa que significa "descanso de fim de semana". Trabalha-se cinco dias ou pouco mais no confinamento dos escritórios ou dos estabelecimentos, no ruído das cidades, aprisionados entre asfalto e o cimento, em uma atmosfera pesada: mas , chegando o sábado, parte-se para dois dias de repouso, possivelmente nos campos ao ar puro, num cenário de verde e repousante vegetação. O que aí se procura é o repouso, uma distensão após o trabalho.
O domingo cristão, ao invés, é algo de maior: não é um simples "week-end" em que se introduz a Missa, mas é um dia todo ilumindado pela luz do Senhor Ressuscitado: a Missa é certamente o momento maior e mais nobre do domingo cristão, mas não é tudo e não basta ter ido à Missa para ter vivido e santificado a festa.

O domingo cristão é o dia em que os cristãos deixam de ser homens da máquina, do trabalho agitado e febril, para se recordarem que são ressurgidos e assim se elevarem até as coisas eternas na oração, pela participação nos divinos mistérios, na meditação da Palavra de Deus.
E como consequencia dessa "libertação pascal" lhe vem a alegria, o alegre encontro com os amigos e as pessoas caras, o lazer, o divertimento.

Fonte: Livro Liturgia para o Povo de Deus- d.Carlo Fiore; d.Hildebrando P.Martins; 4ed.
Foto: Igreja Westminster - Sta. Margarete, Londres

domingo, 1 de agosto de 2010

Dica: O Banquete do Cordeiro

Já que falamos no último post um pouco sobre a Eucaristia, sobre Ação de Graças, vamos aproveitar então e falar um pouco da Santa Missa. Ora, para que se faça uma Ação de Graças é necessário primeiro compreender os mistérios da Santa Missa, enteder a importância da Eucaristia para que se possa dar a ela seu devido valor. Como dar valor aquilo que não conhecemos direito? Para isso propomos um livro exemplar: O Banquete do Cordeiro, a missa segundo um convertido de Scott Hahn. Edições Loyola.

Essa aproximação à Eucaristia foi feita por um protestante calvinista convertido ao catolicismo quando se pôs a estudar a vida dos primeiros cristãos. O autor explora o mistério da Eucaristia com olhos novos e fala da missa como um poderoso drama sobrenatural, no qual o sacrifício real do Cordeiro traz o céu à terra.


Scott Hahn é professor de teologia e de Escritura na Universidade Franciscana em Steubenville, Ohio, EUA. Ele fundou e dirige o Institute of Applied Biblical Studies e presidiu a Fundação dos Missionários da Fé. Casado, tem seis filhos.

Boa Leitura!